terça-feira, 10 de abril de 2012

Accept - Stalingrad (Brothers in Death) [2012]


Accept é uma banda consagrada entre os metaleiros, faz um heavy metal clássico sem firulas. A banda abrange temas como sexo, rock/metal e fantasia. O som é rotulado como “Heavy Metal Clássico”. Na minha opinião, é uma das melhores bandas do metal clássico, chegando ao lado de Iron Maiden e Judas Priest. O Accept tem um papel muito importante no desenvolvimento do power/speed metal na Europa, suas influências vão de Judas Priest a AC/DC. A banda foi montada no início da década de 80 na Alemanha pelo vocalista Udo Dirkschneider (hoje consagrado como vocalista solo).

'Hung, Drawn And Quartered' abre o disco. A música inicia com um dueto clássico , direto e poderoso, saindo para a sequência de riffs pesados e melódicos que é a idêntidade do guitarrista Wolf Hoffmann seguido de um lick/solo. A voz de Mark ainda esta em um ponto alto, não perdendo nada em relação ao penúltimo album da banda (Blood of the Nations [2010] - Eleito melhor album daquele ano) . Voz sempre arranhada no melhor estilo Brian Johnson (AC/DC) e do próprio ex vocalista da banda, Udo.
A música é direta, inicia o álbum com “porradaria”, perfeita para ser a primeira música do trabalho. O refrão também é direto, os versos são corridos. Na bateria, Stefan faz aquele feijão com arroz para a música não perder a essência, dando o ritmo com pedais duplos no refrão mostrando que o Accept voltou para "arregaçar" com tudo mesmo. No fim das contas o pedal toma conta durante o restante da música apartir da metade, quebrando mais ainda.

A segunda música, 'Stalingrad', é que da título ao album. Fala da Batalha de Stalingrado, que custou a vida de pelo menos um milhão de soldados alemães, de tropas do Exército Vermelho Soviético e civis russos, foi a mais sangrenta das batalhas decisivas da Guerra de Extermínio liderada por Hitler.
Riffs cavalgados no primeiro verso dão mais uma vez o peso que o Accept sempre obteve com os riffs de Wolf Hoffman, logo de ponte a música da uma esfriada com um toque melódico, com backings vocals em coro (clássico do Accept), e Mark soltando o vozeirão introduzindo o refrão.
No refrão entra o couro do jeito Accept  de se fazer, gritando “STALINGRAD”, com Mark fazendo suas "firulas" por cima destes backings. O pós refrão também clássico com o coreto fazendo notas graves.
Grande música, duetos, riffs, baterias. Talvez a melhor do álbum. No final da música Wolf chama um de seus solos magníficos, com muita melodia em cima de um clima nostálgico.

'Hellfire' tem outra introdução clássica com uma sirene de guitarras no fundo, levando a um riff pesado e cadenciado. Logo mais o baixo pega, aqui já da para saber que o Accept vai quebrar tudo durante o cd inteiro, pois é outra "pedreira". As frases de Mark são muito bem elaboradas, os riffs cada vez mais criatívos, da vontade de não parar de escutar a cada música que passa.
O pré refrão muito pesado, havendo trocas de guitarras com vocais, já o refrão é pegado como sempre com a batera subindo de batida até chegar no pedal duplo novamente.
Vamos falar de solo, até agora o melhor solo de guitarra do cd. Perfeição com harmônicos estalados e altos, definem bem o heavy clássico da banda, característica única do Wolf.

'Flash To Bang Time'. Essa sim revela o baterista Stefan, a música inicia com ele introduzindo uma "porradaria power metal" seguida de solos. A música é "quebraceira" total de guitarras, só pára para Mark cantar seus versos e já volta a "porradaria". O refrão são os coros cantados de Mark com backing vocals e em seguida ele solta aqueles gritos “metal”, música que ja foge um pouco das anteriores, mas não quer dizer que seja uma música ruim, é diferente, basta entender o que esta sendo transmitido.
Depois do segundo refrão a música pega uma linha de “fúria” com Mark cantando tudo em uma linha de notas baixas colando no solo furioso. Depois do solo vem o dueto majestoso! Muito boa passagem da música que ainda não tínhamos visto nas músicas anteriores, esta quebraceira toda desemboca novamente no refrão.

"Shadow Soldiers". Esta começa com uma introdução linda, violão e por baixo uma guitarra “chorando”, isto é abertura de um riff cadenciado/cavalgado, em clima de “guerra” mesmo. O riff principal é dobrado, mantém a linha com os vocais explicando que soldados morreram pela liberdade.
Meu estilo preferido de música, o verdadeiro Metal Clássico é mostrado perfeitamente nesta música, obra prima do Accept. O refrão clássico com backings e tudo o que tem direito. É aquela música que costuma arrepiar os ouvintes/amantes do bom e velho feeling, solos chorados e perfeitamente executados por Wolf que é sem dúvidas um dos melhores guitarras/feeling que conheço.

"Revolution" inicia com um couro de “pessoas” que estão prontas para revolucionar, a introdução mostra que vem porradaria novamente, aquelas famosas introduções com pratos de batera sendo segurados, dão inicio a mais um riff speed, versos trabalhados e gritados, cheios de licks de guitarras no fundo. O refrão coloca os mesmos ingredientes usados nas músicas anteriores, o refrão com backings seguidos de gritos marcantes de Mark.

"Against The World". Esta música traz um refrão bem marcante e muito mais melódico que os anteriores, ao contrário dos outros, o vocal entra antes e o coro de backings depois, os riffs são cavalgados mas bem distribuídos entre guitarras, com notas cheias, elaborando bem os versos.

"Twist Of Fate". Esta música traz um clima inicial de vingança, o baixo da a cadência nesta música, levando as guitarras a fazerem licks melódicos, indo e vindo nas notas. Nos refrões são usados “mini” solos acompanhados da voz marcante de Mark, muito boa música, o backing vocal entra na metade do refrão com um riff muito pesado lembrando por que o Accept é uma banda desta grandeza.
A música aumenta a cadência da metade para frente não o tornando uma “mesmice”, muito bem elaborada e composta, não é preciso nem falar, o album é uma obra prima até aqui!
Alavancas ressoam no final do solo, depois novamente acelera a música com o refrão em velocidade alta e em baixo aquele solo “fritado”, mas é o “fritado” que poucos sabem fazer.
É um segundo resumo no mesmo cd do que realmente significa “Heavy Metal Clássico”.

"The Quick And The Dead" segue a quebraceira do início do cd. Define bem as influências speed e power da banda. Tem um bom verso, e refrão, o que mais marcou são os riffs sem vocal depois do refrão, uma parte instrumental da música, com solos de guitarras e baixo, aí Peter e Herman mostram que também entendem do negócio.
Voltando a falar do refrão, é poderoso e energético, fecha ele com o coro cantando o nome da música.

"The Galley". A última música do album inicia com uma introdução ditando o tema de término, característica usada por várias bandas.
Inicia-se um riff cavalgado, entrando a voz e dando espaço ao baixo novamente, dando a ordem neste verso. Mark tem facilidade para conduzir estes trechos em que é uma levada no baixo e as guitarras soltando uns licks. A entrada no refrão é feita como uma obra prima, pré refrão muito pesado dão entrada a um refrão pesado tanto na cozinha como nas vozes.
Solo grande e bem feito com instrumental impecável, retorna ao refrão de forma inigualável, logo após a música da uma esfriada e entra num clima de calmaria, com sons de bixos e passarinhos, agora o que aparece novamente é o feeling de Wolf, conduzindo com um solo melódico de dar arrepios até a música entrar num “fade-out” e finalmente chegar ao final da faixa.

O Accept vem desde o penúltimo álbum com esta formação e lançou 2 álbuns magníficos, a banda está muito entrosada, não vejo o que falar da banda de errado, este é o ponto forte dela, trocando de formação todos esperam que se mude algo na banda, mas no Accept não mudou nem sequer a característica vocal.
A banda está no caminho certo para aumentar mais ainda seu número de fãs e crescer mais ainda, pois não é uma banda tão conhecida quanto o “Iron Maiden” por exemplo. Não que o sonho da banda seja este, mas todos gostariam, e alguns se vendem para isso. Menos o Accept.

No entanto, as músicas do álbum seguem muito uma mesma “forma” de composição. Não que isto atrapalhe em algo, pois a música é muito boa, mas é previsível onde estará o refrão, o solo, e o pré refrão.

Mark Tornillo (Vocal)
Wolf Hoffmann (Guitarra, Backing vocal)
Herman Frank (Guitarra)
Peter Baltes (Baixo, Backing vocal)
Stefan Schwarzmann (Bateria)

01 – Hung, Drawn And Quartered
02 – Stalingrad
03 – Hellfire
04 – Flash To Bang Time
05 – Shadow Soldiers
06 – Revolution
07 – Against The World
08 – Twist Of Fate
09 – The Quick And The Dead
10 – The Galley

Escrito por:
Luiz Negrini e publicado por Wallstreet Wallpapers (http://www.wallstreetwallpapers.com.br/)

6 comentários:

  1. Accept - Stalingrad (Brothers in Death) [2012]:

    130mb - 320kbps

    http://www.crocko.com/37C2CBA8FDF843BA82CC9803FA201EFF/ACCEPTSTA12.zip

    ResponderExcluir
  2. Esse álbum é foda demais! Consegui pegar ele no vazamento e já ouvi 1 milhão de vezes!
    Só tenho 1 defeito pra colocar na Twist of Fate, uma das melhores músicas do play.
    Ouvindo pela primeira vez, subindo no elevador sozinho, quando entrou o solo final eu já saquei a Air Guitar e bangueei os cabelos com toda vontade, e de repende começa a entrar o fade out... bem no clímax da música, na minha opinião!
    Mas fora isso, nota 10/10 e ótima recomendação do bonde, como sempre!

    ResponderExcluir
  3. Meu irmão! Me desculpa por demorar a responder, pois eu passei por um período meio corrido da minha vida, mas as coisas estão se acalmando! \o/
    Claro que eu topo em fazer uma parceria contigo, pois o Rock n' Roll tem que se divulgado e compartilhado entre os admiradores do estilo musical!
    Já te adicionei, meu nobre!
    Blog muito bom!


    Abração

    ResponderExcluir
  4. se esse disco for parecido com o anterior ele deve ser otimo..

    ta na fila pra ser ouvido..

    valeu...

    ResponderExcluir
  5. Putz velho muito bom esse ai, Metal clássico mesmo.

    Valeu!

    ResponderExcluir